Constituímos um projeto de turismo responsável e sustentável nas ilhas do Parque Nacional de Orango na Guiné-Bissau, que convida os visitantes a preservar a sua biodiversidade e a conhecer de perto a cultura bijagó.

Somos a Associação Guiné-Bissau Orango, uma entidade espanhola sem fins lucrativos, constituída por uma grande equipa de profissionais cuja finalidade é criar um modelo de desenvolvimento do ecoturismo que dê resposta a um problema social e ambiental no Parque Nacional de Orango e ser uma referência mundial no que concerne a um modelo turístico responsável, sustentável e solidário.

Os nossos objetivos são a conservação da biodiversidade e a sua envolvente cultural e humana. Para alcançá-los,levamos a cabo projetos de cooperação para o desenvolvimento e atividades de promoção e desenvolvimento do ecoturismo na Guiné-Bissau.  

Além disso, a Associação Guiné-Bissau Orango mantém acordos com diferentes entidades, tais como, o Instituto de Biodiversidade de Áreas Protegidas da Guiné-Bissau e a Fundação espanhola CBD-Habitat. Nomeadamente, participa com estas duas entidades num projeto de desenvolvimento do ecoturismo nos Parques Nacionais da Guiné-Bissau.

A nossa história na Guiné-Bissau

Em 2009, iniciámos um projeto emocionante numa bonita ilha da Guiné-Bissau habitada por um povo chamado bijagó. Os seus densos mangais, vegetação exuberante e praias de fina areia branca eram, também, o habitat de inúmeras aves, tartarugas gigantes e hipopótamos que viviam felizes na água salgada. Também contava com um pequeno hotel que pretendia mostrar ao mundo, através do autêntico ecoturismo, a beleza natural e a cultura ancestral do lugar. A ilha e o hotel corriam o grave perigo de cair sob o controlo de interesses comerciais sem respeito pela biodiversidade e a preservação da riqueza cultural da ilha.

Para pôr fim a esta ameaça, a Associação Guiné-Bissau Orango assumiu a gestão do pequeno hotel, ao qual chamámos “Orango Parque Hotel”. Através dele, procuramos obter os recursos financeiros que permitam a implementação de projetos de cooperação que desenvolvemos juntamente com os habitantes da ilha e que ajudam a manter o seu espaço natural bem preservado. Estes projetos são absolutamente necessários para poder dar continuidade a esta coexistência ambiental e cultural que tem sobrevivido dentro de um equilíbrio sustentável durante centenas de anos.

Esta iniciativa visou, desde o início, conciliar o desenvolvimento de uma atividade de ecoturismo compatível com a preservação da natureza. A implementação de projetos de cooperação para o desenvolvimento e ambientais são essenciais para a conservação do parque nacional, bem como para o povo Bijagó que o habita. Desde então, estamos em constante evolução e continuamos a apostar em novos projetos em consonância com os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável promovidos pelas Nações Unidas.   

O hotel investe os seus lucros em microprojetos de cooperação para o desenvolvimento, que contribuem diretamente para a melhoria do bem-estar e da qualidade de vida da população local do Parque Nacional de Orango, principalmente nas áreas da saúde e educação.

Desde 2009 CENTROS DE SAÚDE

Desde 2009, reabilitámos três centros de saúde em Eticoga, Acagume e Ambuduco e continuamos a realizar as reformas necessárias face a condições meteorológicas imprevistas. Além disso, asseguramos os salários do pessoal médico em Eticoga, pois de outra forma não haveria profissionais na ilha. Isto permitiu-nos melhorar o acesso aos cuidados de saúde da comunidade bijagó.

2009 ESCOLA INFANTIL

Apoiamos a construção de uma nova escola infantil na Ilha de Orango que acolhe e educa 65 crianças. Graças a este apoio, consegue-se estabelecer desde tenra idade a ligação à escola, prosseguindo com o ensino básico, proporcionando-lhes um ambiente propício para a brincadeira e a aprendizagem.

2009-2014 ASSEGURAMOS A ALIMENTAÇÃO

Evitamos a entrada dos hipopótamos mediante pastores elétricos e garantimos o sustento da população, conseguindo duplicação da colheita de arroz e manter um abastecimento autónomo nas ilhas. Por conseguinte, uma vez eliminados os conflitos entre os agricultores e os hipopótamos, protegemos esta majestosa espécie em extinção e animal sagrado para os bijagós.

2010-Atualidade MISSÕES MÉDICAS

Apoiámos 3 missões médicas de oftalmologistas e ginecologistas de diferentes ONG internacionais, facilitando a sua chegada e disponibilizando os espaços necessários. Com o apoio destas missões foram detetadas atempadamente doenças e problemas que, de outra forma, teriam resultado em cegueira, incapacidade ou mesmo morte.

2011-2018 POÇOS DE ÁGUA

Construímos e restaurámos 5 poços em várias aldeias, como: Eticoga, Amupa, Madina e Eticodega para melhorar o acesso à água por parte da população, cumprindo esta, simultaneamente, as medidas sanitárias básicas. Desta forma, conseguimos reduzir o número de doenças provenientes do consumo de água.

2013-2016 CARNAVAL

Recuperámos o carnaval tradicional bijagó, o que facilitou a revalorização das tradições locais e da sua cultura, assegurando ainda mais a sua perdurabilidade.

E o mais importante, contribuímos para o desenvolvimento socioeconómico e cultural das ilhas do Parque Nacional de Orango, através da criação de numerosos postos de trabalho e formando continuamente os nossos trabalhadores.

Ao oferecer um trabalho estável, conseguimos que alguns jovens prefiram ficar nas ilhas em vez de partirem para a capital à procura de trabalho, promovendo desta forma o apego às suas raízes e dando assim maior continuidade às suas tradições e cultura. Como um valor acrescentado, é proporcionada continuamente formação aos trabalhadores para que se convertam em profissionais qualificados da incipiente indústria ecoturística da Guiné-Bissau.

Venha fazer parte dos nossos projetos

O que queremos alcançar

Proteger a biodiversidade e a sua envolvente

Promover a investigação de espécies emblemáticas

Melhorar a qualidade de vida da população das ilhas

Dar a conhecer ao resto do mundo o autêntico ecoturismo na Guiné-Bissau

Preservar a cultura ancestral bijagó